Alien: Covenant, novo filme da famosa franquia de sucesso da 20th Century Fox criada pelo famoso diretor britânico Ridley Scott que é um dos lançamentos do ano de 2017!

Bom dia, meus amigos, hoje tenho uma nova crítica para vocês sobre um dos grandes lançamentos do ano de 2017 da 20th Century Fox, que é o novo filme da famosa franquia criada pelo famoso Ridley Scott, e vocês sabem de que franquia cinematográfica eu estou falando? Não, é a famosa franquia Alien.
A franquia iniciada pelo seu primeiro filme lançado no ano de 1979 nos mostrou um universo científico de tirar o fôlego, ainda mais com criaturas alienígenas que entraram para a história dos cinemas, e ainda lançou a carreira de Ridley Scott para o mundo, e sem falar que o mesmo que ele lançou no ano mencionado acima, também foi o primeiro filme da sua franquia e do universo que ele mesmo criou que teve mais 3 filmes seguidos, e para aqueles que estavam sentindo falta desse universo criado pelo diretor, foi lançado no ano de 2012 a prequela do seu primeiro filme lançado ano de 1979, chamada Prometheus que mostrava os acontecimentos desse universo antes dos acontecimentos do filme original, e ainda nos mostrou a origem das famosas criaturas da franquia e as primeiras vítimas do mundo deles, e o mesmo filme Prometheus foi dirigido por Ridley Scott, agora 5 anos depois de Prometheus, Ridley Scott nos traz novamente ao mesmo universo que ele criou para nos mostrar o que aconteceu após os acontecimentos do filme anterior.
Mas vamos com calma, meus caros amigos, o novo filme não é quinto filme da franquia Alien que todos os fans estavam esperando, mas na verdade é uma sequência do filme Prometheus que se passa 10 anos os acontecimentos do mesmo, e ainda o título do filme nos traz uma situação semelhante do outro, para aqueles que viram o filme anterior, título do anterior tinha como nome a nave da tripulação do filme anterior, e o título do novo filme nos traz a nave dos novos personagens como o subtítulo da história, e uma das questões muito presentes no novo filme assim como toda franquia, é que mostra um grupo de personagens que estão em uma missão no espaço a procura de um lugar que vai servir de novo lar para a humanidade ou para economia, mas também o objetivo do novo filme assim como seu antecessor é mostrar os acontecimentos antes dos filmes da franquia principal, que são as origens obscuras das criaturas da franquia.
Mas mesmo com essa expansão desse universo criado pelo famoso Ridley Scott e a 20th Century Fox, tivemos alguns pontos que a sequência de Prometheus não conseguiu manter o ritmo assim, mas em outros pontos o filme conseguiu se superar pela nostalgia clássica da franquia graças ao talento do criador do universo que nos conquistou desde a sua estreia, Ridley Scott. E no decorrer da crítica detalhando cada ponto do filme que farão vocês ver porque Alien: Covenant consegue manter o ritmo de todos os seus antecessores, mas falar porque teve pontos negativos da história, porque teve um dos pontos que faltaram no filme que vou explicar abaixo.
Uma das coisas que notamos no início do filme é que ele mantém o ritmo dos seus antecessores, porque como vocês sabem uma das coisas que a franquia Alien é conhecida é pelo ritmo calmo no começo logo em seguida uma luta pela sobrevivência, e para aqueles que são fãs mais velhos da franquia sabem que Ridley Scott é um grande contador de história, e sem falar que a mesma franquia foi responsável em lançar sua carreira em Hollywood e na mesma forma sua famosa franquia se tornou uma das franquias cinematográficas famosas do cinema, mesmo que após os filmes seguintes tenha perdido ritmo durante os anos seguintes, mas a mesma ganhou várias referências em várias series de televisão e até em outros filmes, então vocês se lembram daquela nostalgia clássica da franquia que se faz presente no filme, então vemos ela logo de cara no começo.
Mas logo no início nós conhecemos aos poucos os novos personagens da história que são os tripulantes da nave Covenant, e também uma coisa que eu chamei na atenção com relação do filme é que a nave é uma espécie personagem-título da história assim como Prometheus era personagem-título da história do filme anterior, e aqui funcionou como uma quase antologia, que quando eu assistir o filme senti uma sensação semelhante nos outros filmes da franquia, claro que isso pode cansar alguns outros até pode ser legal, e um dos pontos do filme que eu vou contar para vocês sobre é que ele acertou em alguns pontos e errou em outros pontos que são importantes na hora de explicar um acontecimento em uma determinada história do filme.
Mas também um das coisas que o começo do filme nos mostra a respeito da nave e da sua tripulação é que eles são uma nave de colonizadores que foram ao espaço para um novo começo em outro planeta da galáxia, diferente da nave do filme anterior que era uma nave científica que estava atrás de resposta sobre as origens da humanidade, um dos primeiros pontos positivos que a franquia préquela nos apresentou sobre as origens do mundo sombrio de Alien, mas mesmo com essa expansão mesmo assim tiveram alguns elementos que ficaram muito repetidos e isso faz com que o espectador perca o interesse no filme, uma franquia cinematográfica quer expandir, tudo bem. Mas precisa mais do que expandir o universo precisa inovar a história mostrar outros pontos, e não ficar batendo na mesma tecla toda que for lançar o novo filme da mesma, mas infelizmente nem todos os cineastas, roteiristas e produções não procuram inovar, outros conseguem inovar, mas têm a maioria que prefere seguir esse caminho da repetição, e não procurar dar uma inovada nas suas franquias de sucesso. 
Uma das coisas que posso dizer do filme que deu um avanço na história foram os personagens que mesmo que tenha se mostrado pouca interação com cada um deles dá para gostar de alguns, mas têm outros que o papel é pequeno do filme, e um dos pontos que nós conhecemos na franquia criada por Ridley Scott que é um costume enorme matar outros personagens, mas aqui nesse filme foi quase tipo um banho de sangue, não o filme todo, mas a ação ficou em segundo plano na história do filme, mas também diferente do seu antecessor que quase botou a ação e a adrenalina na metade do filme, o filme logo deu uma forma de agitar a história e seus protagonistas principais da história principalmente que podemos ver um dos personagens do filme anterior de volta, e Alien: Covenant nos traz para amarrar as pontas soltas do final de Prometheus que terminou de uma forma legal, e da aquela sensação de quero mais, e deu também aquele famoso ar de continuação da história.
O filme nos mostrou uma tripulação de uma nave de colonização que acordou após uma falha técnica, e após os acontecimentos eles recebem um sinal desconhecido em um planeta desconhecido, vocês já sentiram que o filme nos mostra a nostalgia clássica da franquia, porque para aqueles que não se lembram do primeiro filme da franquia onde as mesmas tripulações dos primeiros personagens da franquia receberam um sinal desconhecido em um planeta distante, e eles vão a esse mesmo lugar ai coisas estranhas e sinistras começam acontecer, que até mesmo vocês que são fãs e já viram o filme clássico de 1979, sabem o que estou falando, a ideia do roteiro do novo filme é resgatar a mesma estratégia usada no primeiro filme, para começar a história, e uma das coisas que podemos notar no resto da história que têm uma reviravolta inspirada em histórias literárias clássicas, apesar de o roteiro ter resgatado o velho começo do filme clássico ele também pecou em algumas partes do filme que vamos discutir, e têm relação com o final do filme Prometheus.
Uma das coisas que se destacam no filme são os efeitos especiais e visuais que são de tirar o fôlego, e ainda à fotografia dos cenários também é um dos grandes destaques na produção também, mesmo que a ação fique ausente na primeira metade no filme o que para muitos espectadores que quando filme começa com uma situação assim, pode acabar perdendo o apoio do espectador que o assiste, e ainda a trama fica muito enrolada até que o filme fique muito monótono na hora de entrar em cena a ação e a adrenalina da história, e uma das partes da nostalgia de Ridley Scott foi apresentada no restante do filme foi na hora de chegar ao destino da trama do filme, onde podemos ver muitos dos elementos de ficção cientifica que foram usados nos outros de seus filmes, mas claro que ao contrário de Prometheus teve uma dose a menos ação e adrenalina, Alien: Covenant consegue dá uma história de nostalgia do diretor que nós conhecemos, mas que ao mesmo tempo errou na hora da trama da história e como conta-la da forma certa, e também não inovar outras formas de fazer a mesma coisa com a história, como falei antes não é apenas inovar o universo, mas também inovar a forma de contar a história para os novos espectadores em todos os sentidos até para os fãs mais velhos da franquia.
E também os mesmos efeitos especiais foram responsáveis por várias cenas sangrentas, se pararmos para comparar os efeitos de hoje que são usados na hora do nascimento das criaturas, com os efeitos especiais antigos eram usados nos filmes clássicos da franquia, claro que as cenas iam dar a mesma coisa só que um detalhe que não podemos esquecer, que nos dias de hoje efeitos especiais mais realistas e avançados e que tornam as cenas de violência extrema que vimos no filme sejam mais fortes do que aquelas que víamos nos filmes primeiros, o que é uma grande diferença se parar para pensar, e ainda o filme também nos mostrou a origem da espécie que foi introduzida no final de Prometheus, mas aqui ela ganhou mais destaque, porque o filme serve como uma história de origem para as criaturas de como o ninho delas surgiu? Uma das coisas que o roteiro foi nessa parte da origem das criaturas porque para se contar uma história de origem precisamos ir mais fundo para descobrir o que aconteceu naquele exato momento, e porque surgiu.
Mas também o filme não poupa na hora de derramar sangue, uma das coisas que o filme fez mais destaque foi na hora da ação, adrenalina e no sangue, mas foi nesse mesmo objetivo que o diretor e a produção se distanciaram no objetivo mais importante de um filme que é a construção da história, o que estou querendo dizer que eles focaram na ação quando deviam também focar também na trama, porque a base de um filme ou seriado é a trama; Se essa mesma trama não tiver uma ponto de ligação que ligue a história do filme anterior com o filme novo fica difícil na hora do resultado que pode ser satisfatório, mas também vai ter um efeito negativo sobre o filme, mas também uma das coisas que ficou bastante ausente no filme foi à dinâmica e a interação dos protagonistas com eles mesmos, porque uma das partes importantes de uma produção também é os seus personagens principais, mas por outro lado tivemos uma grande descoberta sobre o que aconteceu com os sobreviventes da nave Prometheus que desapareceu por dez anos, mas ao mesmo tempo o roteiro foi muito econômico nessa parte do filme que poderia ter explicado mais o que aconteceu com eles através de um flashback ou epílogo na história, o que deixou uma coisa também sem respostas para as nossas perguntas, claro que tivemos respostas, mas não da forma explicada como citando acima.
E um dos atores que se destacaram na produção foi o talentoso ator Michael Fassbender, que faz sua segunda parceria com o diretor Ridley Scott após o Prometheus, e que foi um dos atores que mais se destacou na produção e porque fez dois personagens ao mesmo tempo, e posso dizer que foi uma dualidade de tirar o fôlego principalmente porque um dos destaques do filme foi sua atuação e que ao mesmo tempo mostrou uma luta entre esses dois personagens iguais, e ainda o filme teve o protagonismo feminino pela famosa atriz Katherine Waterston que foi a heroína da história e ainda protagonizou uma das melhores cenas de ação do filme inteiro e também a mesma teve um grande destaque na trama assim posso dizer e mais, dos atores e atrizes que se destacaram na produção os dois citados acima ganham dos outros por ganharem mais destaque na trama do filme.
E ainda as lutas finais com a criatura foi uma das melhores que os fãs da franquia estavam ansiosos para ver em anos desde o quarto filme da franquia, e posso dizer que o mesmo teve a cena do chuveiro mais sangrenta na história do filme, e ainda mostrou um final pra lá de que o pesadelo ainda não acabou, e o ator citado acima faz uma das melhores atuações da sua carreira e esperamos que possamos ver mais um filme da franquia Alien daqui e esperamos que Ridley Scott e sua equipe recuperem a sua formula de contar histórias dos filmes anteriores.
E umas das coisas que também se destacaram no filme foram às coreografias de luta, onde todos os atores se mostraram talentosos, e ainda que outros ganhassem mais destaque na tela do que outros, mas mesmo assim o filme perde qualidade por causa disso, e ainda as cenas dos filhotes de Alien foram bastante desenvolvidas, e ainda os mesmos efeitos visuais que tornam os cenários bastante interessantes e impressionantes; E outra coisa que se mantém no nível nostálgico da franquia é o clima de mistério e suspense que ajudam na adaptação dos cenários para a história e também para ajustar o desenvolvimento da trama do filme, no decorrer da história para o mesmo, isso é uma das coisas que se manteve firme e vivas na franquia Alien, e até os dois gêneros citados acima podem até ser visto no final que dá um toque de continuidade assim como no final de Prometheus, e esse tipo de elemento está presente nos outros filmes franquia.
O filme foi dirigido pelo diretor britânico Ridley Scott (criador e diretor da franquia Alien), o roteiro do filme foi escrito por John Logan (roteirista dos filmes Gladiador, Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet, A Invenção de Hugo Cabret, 007 contra Spectre e criador da serie Penny Dreadful) e Dante Harper (roteirista do filme João e Maria: Caçadores de Bruxas) e no elenco do filme estão: Michael Fassbender (o jovem Magneto da franquia X-Men), Katherine Waterston (dos filmes Vício Iminente e Animais Fantásticos e Onde Habitam), Danny McBride (do filme Angry Birds: O Filme e da serie Vice Principals), Noomi Rapace (do filme Prometheus), Demián Bichir (da serie The Bridge US e o filme Os Oito Odiados), Callie Hernandez (dos filmes A Bruxa de Blair e La La Land), Carmen Ejogo (dos filmes Uma Noite de Crime 2 e Os Animais Fantásticos e Onde Habitam), Jussie Smollett (da serie Empire), Amy Seimetz (do filme Você é o Próximo), Billy Crudup (dos filmes Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas, Watchmen: O Filme e Spotlight: Segredos Revelados), Benjamin Rigby, Alexander England, James Franco, Tess Haubrich, Guy Pearce, Uli Latukefu (da serie Marco Polo), Goran D. Kleut (do filme Deuses do Egito), Nathaniel Dean e Lorelei King.
Vejam a nota do filme abaixo:
Avaliação do filme:
Nota:8,1/10,0
E suas imagens:
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Imagem relacionada
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Resultado de imagem para Alien: Covenant posters
Espero que gostem da nova postagem, e até a próxima, meus amigos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pantera-Negra, um dos grandes lançamentos e um capitulo inédito da famosa franquia da Marvel Studios para o ano de 2018 com inovação na história e etnia diversificada de tirar o fôlego!

Jogador N°1, novo filme de sucesso da Warner Bros dirigido pelo famoso diretor Steven Spielberg que é baseado no livro de sucesso do escritor Ernest Cline, que é um prato cheio de referências da cultura pop dos anos 80 que estreou quinta-feira passada nos cinemas!

A Forma da Água, uma história de aventura e romance dos gêneros drama,fantasia, suspense e terror para adultos da Fox Searchlight Pictures dirigida pelo aclamado diretor mexicano Guillermo del Toro que é um dos lançamentos recentes que faz o grande resgate ao passado!